segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

'Piratas' somalis com o povo hatiano

Quem leia a Rádio Moscovo com regularidade sabe que não temos quaisquer pruridos em atacar a legalidade burguesa e o colaboracionismo pacifista. Hoje, trazemos a notícia de um grupo que está na mira do capitalismo e que foi, há muito, demonizado pela imprensa de reverência. Depois de verem as suas costas devastadas pelas transnacionais pesqueiras, os vulgarmente chamados 'piratas' somalis passaram a atacar os navios estrangeiros. Com o afastamento da pesca abusiva, a população local conseguiu aceder aos seus próprios recursos naturais.

Denunciámos essa situação há vários meses. Hoje, os 'piratas' somalis dirigiram-se à imprensa mundial para afirmar que pretendem enviar para o povo haitiano parte do capturado aos navios capitalistas. Acrescentam ainda que "a ajuda humanitária ao Haiti não pode ser dirigida pelos Estados Unidos e países europeus, não têm autoridade moral para isso. São eles quem pirateiam a humanidade desde há muitos anos".

5 comentários:

lp16 disse...

Estes PiRATAS põe em prática a Expropriação Solidária.

Isto sim, é uma lição de moral a todos os predadores capitalistas de pobres nações, e de suas riquezas naturais..

Excelente artigo btw.

Anónimo disse...

Nessa lógica os traficantes das favelas passam a robin dos bosques porque redestribuem uma percentagem mínima do seu negócio em caridadezinha por entre os pobres que lhes camuflam a actividade. Os piratas com aspas perdem as aspas quando atacam navios da Coreia Popular como aconteceu recentemente. Vamos lá ver se não disparamos em todas as direcções que deixamos de ser certeiros. Essa gente preda mais a comunidade onde vive que os navios do capitalismo que passam nas águas territoriais... Haja tino e bom senso!

Pedro Bala disse...

Ninguém aqui endeusou os "piratas" da Somália. Mas comparar tráfico de droga com assaltos a transnacionais pesqueiras não faz qualquer sentido. Os recursos marinhos daquela região foram arrasados pelas grandes potências da pesca. Depois do assaltos, os navios têm passado mais ao largo da Somália e a pesca tem subido vertiginosamente para os somalis.

Hugo Besteiro disse...

brutal!!!

Luís Rocha disse...

Definitivamente a pirataria de combater o capitalismo é fenomenal. Eu também já tinha boa impressão da pirataria informática, agora também tenho dos camaradas da Somália.

Vejam mais uma notícia nesta linha:
http://www.aporrea.org/actualidad/n150463.html

Insurgentes somalíes hacen efectiva ayuda a víctimas de Haiti

Somalia, febrero 6 - Días después del anuncio de ayuda hacia los damnificados por el devastador terremoto que azotó al territorio haitiano, los insurgentes somalíes cumplieron con su promesa de ayuda solidaria a la población de Haití.

En un comunicado enviado por correo electrónico y publicado por la Agencia digital de noticias Panorama Alternativo, el representante de uno de los grupos que actúan en aguas del Océano Indico identificado con el nombre Husein, señaló que “como había sido anunciado y como un compromiso humanitario asumido ante los pueblos oprimidos del mundo, se hizo efectiva la colaboración hacia el pueblo hermano de Haití a través de enlaces que se encuentran en Puerto Príncipe y que están colaborando con las víctimas”.

Indicó además que “la presencia de tropas de Estados Unidos y países de la Unión Europea en territorio haitiano es una muestra más de la soberbia y falta de humanismo de quienes han expoliado a millones de personas en todo el mundo durante cientos de años”.

“Reiteramos la falta de autoridad moral para ayudar, de quienes nunca han ayudado”.

Consideran en el comunicado que “el retiro de la flota naval británica semanas antes del terremoto en Haití muestra la debilidad y cobardía de los grandes piratas de la historia” e indicaron que “próximos buques de bandera británica serán abordados cuando se acerquen a las aguas de Somalía”.

“Continuaremos confiscando mercancías de las empresas transnacionales que circulen por nuestras aguas”, expresó el vocero de los insurgentes.

(con información de Panorama Alternativo)