sábado, 13 de setembro de 2008

O baile dos embaixadores

Uma célebre anedota explica porque é que nunca houve um golpe nos Estados Unidos. "Porque não têm uma embaixada norte-americana". E apesar de ser uma brincadeira, o caso torna-se sério quando percorremos a história dos golpes de Estado ou das guerras civis que se passaram um pouco por todo o mundo. Há uma evidência clara de que as embaixadas dos Estados Unidos estão intimamente ligadas ao trabalho da CIA. Quem esquece o papel de Frank Carlucci na contra-revolução portuguesa?

Contudo, não interessa à imprensa destacar as evidências. Poucos dias antes dos confrontos na Bolívia, o embaixador norte-americano na Bolívia, Philip Goldberg, havia reunido, de forma discreta, com a oposição ao governo de Evo Morales. Não se sabe o que se passou nesse encontro mas sabe-se o que se passou nos dias seguintes. E estudando o currículo de Goldberg não é difícil perceber porque foi escolhido para trabalhar na Bolívia. O embaixador - entretanto, expulso - foi, entre 1994 e 1996, o responsável pela questão da Bósnia na secretaria de Estado. Depois assumiu, entre 2004 e 2006, a chefia da missão norte-americana no Kosovo. Ou seja, um especialista na arte de dividir para melhor reinar.

O facto de Philip Goldberg ter sido expulso neste momento não significa que o governo boliviano só tenha percebido agora qual o papel do embaixador norte-americano. Evo Morales sabia perfeitamente da missão de Goldberg. Simplesmente, depois de muito esticar, a corda partiu-se. E podemos observar que esta América Latina já não é a mesma que deixou cair Allende em 1973. Não há um só governo que tenha tido, até ao momento, a coragem de contrariar um governo legitimamente eleito e aprovado em referendo. Pelo contrário, para além dos apoios do Brasil, Chile, Argentina, Paraguai, Equador, Nicarágua, Cuba e de tantos outros, na Venezuela e nas Honduras já não moram embaixadores dos Estados Unidos da América.

Mas a resposta está para além do baile dos embaixadores que ganharam um bilhete só de ida, a resposta está na luta da classe trabalhadora de cada país pela transformação social. Só ela poderá combater e derrotar de forma decisiva os que dominaram e dominam a América Latina. Porque como disse Salvador Allende, momentos antes de cair em combate, "a história é nossa e é feita pelos povos".

5 comentários:

Hugo Besteiro disse...

bom artigo.. copiei a piada para o meu blog :P

só não entendo a ligação entre o texto e a imagem

Pedro disse...

Bem, era uma foto de mineiros bolivianos que estava alojada no site da CIG. Mas já pus outra.

Fernando Samuel disse...

Este Goldberg é da «escola» do Carlucci, cujo currículo é notável: Congo (1960 - assassinato de Lumumba); Brasil (1964 - golpe fascista); Chile (1973 - golpe fascista); Portugal...


Abraço.

Crixus disse...

Apesar dos ataques do imperialismo yankee acredito que os povos da America Latina vão aproveitar esta oportunidade para se tornarem definitivamente livres e independentes e, ao mesmo tempo, construir uma alternativa progressiva e socialista. Contam com a nossa solidariedade.

poesianopopular disse...

Cuba foi o rastilho, já nada será como antes, na América Latina, a Bolivia vencerá!