quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Radio Moscovo na terra de Bolivar


Caracas é uma cidade feia e ilustra o profundo contraste que existe entre pobres e ricos. A capital venezuelana é cercada por montanhas que a separam do mar. Nas encostas verdes, situam-se os 'barrios', fotocopias perfeitas das favelas brasileiras. Na base, levantam-se arranha-céus que constituem verdadeiras fortalezas para os ricos. Quando procuravamos um apartamento, tivemos a oportunidade de descobrir o medo profundo de que sofre a burguesia. No exterior, surge um gradeamento com uma porta de ferro. O porteiro abre-a e conduz-nos à porta de entrada do edificio. De seguida, depois da viagem no elevador, deparamo-nos, no piso, com um novo gradeamento que veda a entrada ao corredor de acesso ao apartamento. Depois de aberto, caminhamos até um outro gradeamento que tapa o acesso à casa. No final de todo este processo, podemos, finalmente, abrir a porta e disfrutar do calor do lar.

A especulaçao imobiliaria em Caracas esta bem patente no preço das casas. O facto de estar cercada por montanhas nao permite o crescimento da cidade senao em altura. Dai os grandes edificios que nascem do caos urbano. Para os pobres, nao ha lugar na parte baixa. Constroem as suas habitaçoes precarias nas encostas e nao é raro que depois de uma tormenta aconteçam deslizamentos de terra que enterram familias inteiras. Aqui, encontra-se o grande bastiao do actual processo politico venezuelano. A criaçao de saneamento basico, de cuidados primarios e especializados de saude, a alfabetizaçao e o realojamento tem sido factores importantes de progresso para a populaçao pobre de Caracas.

O processo politico de matizes bolivarianos vive na cidade. Cada rua tem o seu mural dedicado à revoluçao. A qualquer momento pode passar uma ambulancia da 'missao bairro adentro', com o apoio de médicos cubanos, pintada com "a saude nao é um privilégio de poucos mas um direito de todos". Na Universidade Central da Venezuela pude reparar numa estudante que fotocopiava o 'Imperialismo, fase superior do capitalismo' para a sua cadeira de Economia Marxista. Também as paredes da Cidade Universitaria estavam forradas com faixas da Juventude Comunista da Venezuela. Na terça-feira, houve uma concentraçao em frente à embaixada norte-americana e, pouco depois, uma homenagem a um estudante assassinado em 1993. Pela tarde, o Partido Socialista Unificado da Venezuela inaugurava a sua campanha eleitoral com um comicio no centro da cidade. Hoje, vai haver um encontro sobre a divida dos paises pobres aos paises ricos e um debate sobre o aborto na Venezuela. Na sexta-feira, a Coordenadora Continental Bolivariana vai homenagear, no principal 'barrio' de Caracas, Manuel Marulanda, revolucionario e historico dirigente das FARC-EP. Com a presença da Radio Moscovo, claro esta.

5 comentários:

pedras contra canhões disse...

uma calorosa saudação para as américas e para a radio moscovo!
abraço!

Fernando Samuel disse...

Cá fico à espera que a rádio moscovo mande notícias...

Abraço e bom trabalho.

HERCULANO disse...

só para dizer que o Glorioso venceu no dérbi da Capital. 2-0. Grandiosas manifestações populares de rejúbilo!

GORA SLB!

Anónimo disse...

vejo que estás vivo..*
[não existem 'deslizamentos de terra', mas existem movimentos de vertente:p]

pedras contra canhões disse...

landslide, traduzido à letra é um deslizamento de terra. :P