sábado, 17 de janeiro de 2009

Combater a desinformação!

"E se nos queixamos de que não temos voz porque não começamos por dar voz às paredes dos nossos bairros?"
Anónimo

João Marcelino provoca-me náuseas. Mas ao mesmo tempo satisfaz-me porque aclara que as nossas análises estão correctas. Ou seja, o director do Diário de Notícias destapa e mostra que o seu jornal não faz mais do que impor o pensamento neoliberal à maioria dos portugueses. E porque lhe chamo imposição? Precisamente porque a comunicação social continua nas mãos de uma minoria que, por sinal, é a mesma que controla a economia do nosso país. Hoje, num artigo de opinião, João Marcelino traça o retrato de José Sócrates como um político excepcional e sai em defesa do primeiro-ministro lançando um feroz ataque ao partido "Os Verdes" acusando-o - como o seu ideólogo - de ser um fantoche criado pelo Partido Comunista Português. Para tal, recupera as declarações de Zita Seabra - essa campeã da verdade que disse que Che Guevara combateu na Colômbia, que Amílcar Cabral era guineense e que Honecker morreu como secretário-geral do partido que governava a RDA.

Este não é um caso excepcional. Ainda há poucos dias, o Público - como denunciámos no artigo anterior - dizia que a Venezuela se preparava para perpetuar Hugo Chávez no poder. E a RTP, sem qualquer pudor e uma semana antes da greve decretada pelos professores, decidiu abrir dois telejornais com reportagens chocantes que envolviam a classe docente. Na primeira, uma professora obrigara uma criança a despir as pernas perante a turma e na outra o marido de uma professora atacara um aluno com uma navalha. Não há quaisquer dúvidas sobre a culpabilidade de quem cometeu tais actos. Mas sobram muitas sobre o valor-notícia que leva a emissora do Estado a mediatizar sucessivamente acontecimentos que denigrem a classe docente.

Na Venezuela, tive a oportunidade de contactar com vários jornalistas. Depois da vitória de Hugo Chávez em 1998 e, principalmente, depois da avalanche popular que derrotou o golpe de Estado em 2002, os meios de comunicação alternativos cresceram consideravelmente. Apesar do poder económico da burguesia se manter quase intacto, a população e o Estado promoveram a criação de jornais, revistas, rádios e televisões para combater a desinformação e para se baterem de igual para igual na batalha ideológica. E a verdade é que em cada um dos lados das barricadas informativas há visões do mundo absolutamente diferentes. O povo venezuelano tem agora em suas mãos mais uma ferramenta para ver de forma consciente e crítica a realidade que o rodeia. Em Portugal não. Vivemos à sombra do que nos injecta a burguesia portuguesa. E daí vem a necessidade de combatermos com os poucos meios que temos à nossa disposição a ditadura informativa que se vive no nosso país.

Nunca é demais repetir-se a importância que têm os meios de comunicação para os movimentos revolucionários. Os portugueses devem sentir-se orgulhosos de terem entre si o jornal comunista que mais tempo sobreviveu na clandestinidade. Mas, sem qualquer tipo de saudosismo, devemos contar com ele para informar e difundir as ideias que defendemos. O «Avante!» não foi, não é, nem será uma peça de museu. Serviu e servirá de meio para informar e agitar. Principalmente porque como marxistas-leninistas consideramos a verdade como um eixo essencial do nosso pensamento e acção. Que melhor forma de combater as omissões e as mentiras dos porta-vozes da minoria capitalista que com os meios dos que defendem a maioria trabalhadora?

1 comentário:

Fausto disse...

O Bloco de Esquerda resolveu publicar uma notícia sobre Hugo Chavez e a aprovação pelo parlamento bolivariano duma emenda constitucional que permita a reeleição sem limite de mandatos não apenas para a Presidência da República Bolivariana, mas de vários titulares de cargos políticos como alcaides ou governadores, emenda essa que ainda terá de ser refendada pelo povo.

Pode ser consultada AQUI: http://www.esquerda.net/index.php?option=com_content&task=view&id=10395&Itemid=26

A notícia que o Bloco de Esquerda produz e que é tendenciosamente anti-Chavez, defindo o processo bolivariano com a expressão revolução socialista metida entre aspas, isto é: "revolução socialista". Está claro, porque da língua portuguesa, também percebo um pouco, como as aspas servem para perjorativamente darem a entender que, de socialista e de revolução, não há nada na venezuela. Se achassem que existisse, já não lhe punham "aspas", escreviam apenas revolução socialista.

Mal entendido ou teoria da conspiração? Infelizmente, a comprovar o mau juízo bloquista sobre a revolução bolivariana na Venezuela, está o eloquente facto de que, enquanto comentários pro-chavista à notícia foram censurados e excluídos, o Bloco de Esquerda, permite que um reaccionário comente:

"Que palhaçada! Oxalá o povo da Venezuela consiga correr com esse tirano!"...

Muito preocupado com a possível "reeleição ilimitada de Hugo Chavez" - como escrevem -cabe lembrar ao Bloco de Esquerda, que Francisco Louçã, Fernando Rosas, Miguel Portas ou Luís Fazenda (entre outros) têm concorrido ininterruptamente aos lugares de deputados desde 1999, exercendo os cargos e, provavelmente, virão ainda (e pelo menos) a concorrer em 2009 para se manterem reeleitos até 2013. É pena que, progressivamente, o BE esteja a saltar para a barricada daqueles que se opõem a Chavez e ao processo bolivariano.