domingo, 18 de julho de 2010

Colômbia volta a provocar a Venezuela

A poucos dias da tomada de posse de Juan Manuel Santos, o herdeiro do presidente colombiano Alvaro Uribe, lançou-se mais uma campanha mediática contra o governo bolivariano de Hugo Chávez. Agora, o governo de Bogotá diz ter todas as provas dos locais, em território venezuelano, onde as FARC e o ELN supostamente estão. Caracas já mandou vir, da Colômbia, o seu embaixador. Espera-se um aumento da tensão nos próximos tempos. O objectivo é claro. Aproximam-se as eleições legislativas venezuelanas e há que lançar todas as armas contra o governo de Hugo Chávez.

3 comentários:

Membro do Povo disse...

Aí está a grande central do narcotráfico mundial (Colômbia)a defender os interesses do seu grande cliente (EUA), é claro que isto é mais que uma jogada dos cartéis de droga: é uma jogada do imperialismo! Esses governos sem moral, um que vive da guerra e outro dos cartéis de droga e ambos da desgraça do seu próprio Povo; sabem bem o que significa a desistência do Povo Venezuelano!

Fernando Samuel disse...

Cresce e intensifica-se a ofensiva do imperialismo norte-americano no continente americano. É imperioso denunciá-la e reforçar a solidariedade com os povos da Veenzuela, Bolívia, Cuba, etc, etc.

Um abraço.

João disse...

Muito bem denunciado, a "nova" versão do governo colombiano, continuará a saga anterior de lacaio do imperialismo americano na região.

Não se trata de uma critica ao teu trabalho, mas sugeria que também comenta-ses e desses a tua opinião, na mesma medida com que divulgas e denuncias os crimes do imperialismo,as lutas dos trabalhadores europeus,contra a ofensiva do capital e em particular a dos trabalhadores gregos. Como importante seria a divulgação do "CHAMAMENTO" que a PAME faz a todos os trabalhadores da Europa, no sentido de RESISTIREM à actual ofensiva capitalista em curso.
Um abraço
João