quarta-feira, 21 de julho de 2010

Um dos principais jornalistas espanhóis assume que vivemos numa ditadura

Vejam este vídeo. Este é Iñaki Gabilondo, um dos mais conhecidos jornalistas espanhóis. Foi director de um canal de informação e é uma das principais caras dos telejornais. Não é comunista. Não é progressista. É alguém do sistema.

Neste vídeo, Iñaki Gabilondo despede-se do seu programa, que vai para férias de Verão, e começa por referir que passámos a uma nova etapa após a "hecatombe financeira" e diz que "a naturalidade com que a doutrina que nos arrastou para o abismo nos impôs a sua lei abriu as cortinas a uma grande verdade": "somos súbditos dos mercados. O regime em que vivemos é uma ditadura. Uma ditadura muito particular, mas uma ditadura. Disfarçada com as roupagens da democracia, mas uma ditadura."

Depois, explica que "não nos deixam outros caminhos que aqueles que estão traçados, fora deles não há salvação. E que a nossa liberdade só se pode exercer no pequeno intervalo em que nos autorizam mover-nos".

Vale a pena ouvir e divulgar.

3 comentários:

filipe disse...

Um sinal das contradições dos tempos que vivemos, das quais também temos exemplos "domésticos", como o caso recente do Mário Crespo.
A dimensão ditatorial da manipulação dos meios de comunicação já é hoje denunciada por pessoas conservadoras e até há algum tempo atrás mesmo hostis aos ideais de Abril. Objectivamente, alarga-se o campo de denúncia e de luta contra esta ditadura burguesa de fachada democrática. Aproveitemos bem, com a nossa inteligente acção unitária, para reforçarmos a luta do campo democrático, acelerando a data do fim deste regime podre e esgotado.
Um abraço.

A CHISPA ! disse...

Só a direcção do PCP e particularmente Jerónimo de Sousa,é que não vêm isso, quando há poucos dias atrás foram confrontados pelos jornalistas, sobre as propostas de Passos Coelho e do P"SD", sobre os novos poderes a atribuir ao P.R, onde considera que não são necessários, porque as relações entre os dois orgãos P.R. e A.da Républica, têm se pautado por uma "relação de equilibrio e estabilidade da democracia" melhor não se podia defender a democracia burguesa,quando se utiliza este tipo de argumentos e era de todo necessário demascarar as verdadeiras intenções que levam Passos Coelho,a propôr este tipo de propostas que visam dar um contiúdo mais reacçionário à Constituição e assim reforçar os poderes da classe dominante sobre a sociedade.

O Filipe vê possiveis aliados em todo o lado, veja-se só que vai buscar o caso de M.Crespo, quando tem tantos outros casos que podia mencionar, como por exemplo a REPRESSÃO exercida sobre os trabalhadores e os sindicalistas nas empresas, ou como o controle policial sobre as manifestações de trabalhadores, quando estes protestam contra a politica reacçionária do governo,Não, vai logo buscar M. Crespo, como se este fosse uma vitma do sistema, quando afinal, não passa de um CRÁPULA que sempre esteve ao serviço dos sectores mais reacçionários da burguesia, veja-se o programa "plano inclinado" na SICnoticias, para ver como através das "entrevistas" que ele faz a Medina Carreira e outros convidados,ele promove soluções reacçionárias e mesmo fascistas, para que a burguesia possa ultrapassar a actual situação de crise profunda em que está atolada.
Mas vai mesmo mais longe quando diz que a " dimensão ditatorial da manipulação dos meios de comunicação já é hoje denunciada por pessoas conservadoras e até algum tempo atrás mesmo hostis aos ideais de abril".Só para RIR Filipe.
O que estes sectores se queixam é do facto da comunicação "social" não lhes abrirem mais a porta, para eles poderem VOMITAREM à vontade o seu ÓDIO ao povo,e não qualquer defesa, mesmo que minima das liberdades democráticas burguesas, principalmente agora em situação de crise económica profunda, quando vêem nas manifestações dos trabalhadores, um perigo para a sua existência como classe social burguesa.
Não acha Filipe, que a politica revisionista que defendia a unidade de todos os portugueses HONRADOS,que limitou a luta do proletariado português apenas ao derrube do fascismo, e responsável pela degenerescência revisionista e pelas actuais politicas que o PCP ainda hoje defende, já causaram demasiados danos?
Vamos lá Filipe, acorde dessa HIPNOSE.
"achispavermelha.blogspot.com"
"A CHISPA!"

Membro do Povo disse...

Pretende-se que as empresas decidam a vida dos trabalhadores. Está tudo dito, esta é a base do fascismo!