terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Ninguém tem culpa

"Sem mercado não há cidadãos livres: há funcionários e escravos de um outro tipo (...) Uma economia de mercado, mas com regras éticas e políticas estritas. Estados de direito capazes de controlar os mercados e de assegurar sociedades de cidadãos livres, pluralistas e participantes, democracias não oligárquicas como era o caso, mas sociais, preocupadas com o bem-estar de todos, com uma justiça independente, acima dos media, e com a defesa do ambiente, indispensável à sobrevivência da humanidade e da biodiversidade. Claro que isso, nas suas grandes linhas, é o que, durante décadas, se chamou na Europa social-democracia ou socialismo democrático. Ou, se quiserem, um capitalismo avançado ou progressista onde o superior valor são as pessoas e não o dinheiro ou a pura especulação financeira..."

Mário Soares, in Diário de Notícias

A desfaçatez da burguesia ainda espanta o meu tão ingénuo intelecto. Durante anos, estimularam a desregulação absoluta do mercado e agora fingem-se inocentes. O Cavaco Silva apelava ontem a que se defendesse o aparelho produtivo nacional para que se promovesse as exportações. Mas quem é que, principalmente, destruiu a produção do nosso país? Cheira-me que terá sido ele.

Por sua vez, o Mário Soares, qual velha que tira da gaveta a lingerie que usava para seduzir em tempos áureos, vem explicar-nos o que deve ser o socialismo. "Um capitalismo avançado ou progressista onde o valor superior são as pessoas" como se o capitalismo pudesse existir sem o lucro como peça fulcral. Depois de assumir o papel de principal carrasco do socialismo em Portugal, Mário Soares repete a brincadeira e veste a lingerie do "socialismo democrático".

Depois é José Sócrates, que defende agora o investimento público. "Todos aqueles que se opõem ao investimento público estão a cometer um erro", disse. Eis que já não é José Sócrates, o que fechou centros de saúde, o que aprovou a entrada do mercado nas universidades públicas, o que aumentou as taxas moderadoras, o que ataca os funcionários públicos.

3 comentários:

Anónimo disse...

"Grande Pedro", bem visto! Um abraço do R. A.

julio filipe disse...

A figura da velha e da langerie está muito boa!
Todos estes figurões, tanto os domésticos como os de fora, estão agindo para salvar o sistema, em sério risco de afundamento. Como sempre, parece que eles têm uma mais aguda percepção do real que muita e boa gente de esquerda...
Como não há nenhum caminho entre capitalismo e socialismo, cabe-nos a nós afirmá-lo com muita força, agora que o inimigo, como no judo, está em desiquilíbrio!
Saudações fraternas.

Pedro Bala disse...

Temos de lhe dar um golpe para que caia de vez!

Abraço