terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

O Lido morreu

Antes do Partido Socialista a ter entregue aos empreiteiros, a Amadora foi uma cidade com vida. No Bairro Janeiro, construiu-se, em tempos, aquele que foi o primeiro centro comercial e o primeiro cinema. Esta noite, o Lido morreu. Mais de uma centena de bombeiros combateram o fogo. Mas não valia a pena. Já estava morto antes do incêndio. Por toda a cidade, falava-se há muito dos interesses imobiliários que cercavam o empreendimento. E, curiosamente, um incêndio mesmo a calhar.

2 comentários:

Patrícia Saavedra disse...

Impressionante a facilidade com que acontecem coincidências dessas no nosso país. Por aqui são muitas, começar a contá-las era chegar a um poço sem fundo...Máfia à portuguesa, mesmo!
*

fa disse...

É de facto uma pena que aquele espaço estivesse tão sub aproveitado. Moro perto do Lido, e lembro-me muito vagamente do centro aberto, deve estar fechado há pelo menos uns 15 anos.

Era algo que mais tarde ou mais cedo iria acontecer, aquilo há muitos anos que era um antro de toxicodependentes e era mais que óbvio que um cenário destes se iria concretizar.

Não descarto a hipotese de interesses imobiliários associados, ou mesmo revolta dos moradores circundantes, mas bom, vamos ver o que acontece agora...